Petrobras vê acordo com União na cessão onerosa perto do desfecho

Valor Econômico

07/02/2019 – Um mês depois da sua posse como presidente da Petrobras, o economista Roberto Castello Branco identifica três prioridades de sua gestão: a venda de ativos, a redução de custos e a desalavancagem. “Não existe nada inegociável, tudo depende do preço”, disse o executivo. BR, Braskem e o parque de refino da companhia estão na lista de potenciais desinvestimentos. Ele faz, porém, uma ressalva: “Tenho paixão por ativos de classe mundial. O pré-sal é uma paixão.” Para ler esta notícia, clique aqui.