Canal da Revenda

Cosan e Shell finalmente anunciaram nessa quarta-feira (25/10) a assinatura do acordo vinculante para a criação de uma joint venture. A nova empresa, no entanto, só deve entrar em operação no primeiro semestre do próximo ano, pois a concretização do negócio ainda depende da aprovação dos órgãos reguladores. No início do ano, as duas companhias já haviam assinado um memorando de entendimento.

A joint venture está avaliada em US$ 12 bilhões e terá um volume total anual de vendas de cerca de 18 bilhões de litros de combustíveis, com uma rede de 4.500 postos revendedores.

“Este é um marco importante do nosso esforço para criar uma das mais competitivas companhias de biocombustíveis sustentáveis do mundo, ainda que haja um intenso trabalho de integração a ser feito antes do lançamento dessa nova organização”, disse Rubens Ometto Silveira Mello, presidente do Conselho de Administração da Cosan e que também irá presidir o Conselho de Administração da joint venture. O Conselho terá seis membros, sendo três nomeados pela Cosan e os outros três pela Shell.

A Cosan irá aportar na nova empresa 23 usinas, todos os ativos de cogeração, ativos de distribuição de combustíveis no Brasil, participação em empresa de logística de etanol, controle acionário em companhia de trading de etanol, dívida líquida de aproximadamente US$ 2,5 bilhões e dívida de R$ 500 milhões com o BNDES. Já a Shell fará um aporte de US$ 1,6 bilhão, entrará com seus ativos de distribuição e revenda de combustíveis, 50% de participação na Iogen Energy e 14,7% de participação na Codexis. Os negócios de lubrificantes de ambas as companhias ficaram de fora.