Canal da Revenda

Rio de Janeiro, 30 de maio de 2018 (Atualização 12h) – Em função da greve dos caminhoneiros, iniciada na segunda-feira, 21 de maio, a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) informa a situação do abastecimento de combustíveis nos postos revendedores no país.

O panorama em alguns estados é o seguinte:

– Alagoas: após cumprimento de decisão judicial, a entrada do Porto de Maceió foi liberada por manifestantes e o abastecimento de gasolina voltou a ser realizado nos postos. Já há postos com gasolina, mas ainda há falta de etanol e diesel (Última atualização segunda-feira, 28, às 18h).

– Bahia: cerca de 80% dos postos em Salvador e Região Metropolitana estão com combustíveis.

– Distrito Federal: mais de 90% dos postos de combustíveis sem produto (Última atualização sexta-feira, 25, às 17h).

– Espírito Santo: 75% dos postos na Grande Vitória e 50% no interior foram abastecidos. O abastecimento está sendo feito por escolta policial (Última atualização terça-feira, 29, às 11h).

– Mato Grosso: há cargas aleatórias chegando ao mercado por meio de escolta policial, mas não é possível informar o volume. Alguns postos ainda possuem óleo diesel. Em Rondonópolis, 50% dos postos foram reabastecidos com ajuda de escoltas policiais. Em Cuiabá e Várzea Grande, há possibilidade de abastecimento pontual e pequeno (Última atualização terça-feira, 29, às 17h).

– Minas Gerais: 32 postos em Belo Horizonte Contagem foram abastecidos na tarde de segunda-feira (28), por meio de escolta policial. Os estabelecimentos foram definidos por estarem localizados em regiões estratégicas, o que possibilidade o abastecimento por um número maior de consumidores em diversos pontos da Região Metropolitana. O Comitê de Crise mantém mobilização para garantir novas escoltas de caminhões-tanque nos próximos dias (Última atualização terça-feira, 29, às 11h).

– Pará: apenas o abastecimento em Belém foi normalizado. Municípios do interior do estado ainda estão sem abastecimento e aguardam ação do governo estadual e forças de segurança para o planejamento e programação de comboios para que o abastecimento nessas localidades seja normalizado (Última atualização terça-feira, 29, às 17h).

– Paraná: 243 postos em Curitiba dispõem de combustíveis, porém, em função da grande procura, não é possível afirmar que todos tenham estoque no momento. Na Região Metropolitana, mais de 40% dos postos também tinham combustível no começo da manhã. No litoral, cerca de 40% receberam combustível, sendo que o caso mais crítico é em Guaratuba, que segue sem estoque. Em Maringá, 65% dos postos possuíam combustíveis no começo da manhã. Há registro de muitas filas e, por isso, não é possível prever a duração dos estoques. Em Londrina, menos de 10% dos postos foram abastecidos. Cascavel e Guarapuava começaram a ter abastecimento em função das ações liminares do Sindicombustíveis-PR que pediram o desbloqueio dos centros de distribuição.

– Rio de Janeiro: cerca de 15% dos postos receberam etanol, gasolina e diesel desde o início da noite de segunda-feira (28). As distribuidoras estão contingenciando a oferta de produtos para que todos os postos possam ser contemplados. A expectativa do Sindcomb é que entre quatro ou cinco dias o atendimento esteja normalizado (Última atualização terça-feira, 29, às 17h).

– Rio Grande do Sul: 72 postos em Porto Alegre, 14 na Região Metropolitana e 88 no interior do estado já foram abastecidos. Outros 26 pedidos de operações em comboio para transporte de combustíveis foram solicitados (Última atualização terça-feira, 29, às 11h).

­­­– Joinville (SC) e região: a base de distribuição de Idaza carregou caminhões-tanque para abastecimento de três postos em Joaçaba e outros quatro em Lages. As demais bases estão fechadas e sem carregamento. O Sindipetro/SC obteve uma liminar no sábado (26) para que a base de Guaramirim fosse liberada, porém, a determinação não está sendo cumprida (Última atualização terça-feira, 29, às 17h).

– Campinas (SP) e região: o Recap entrou com ação na Justiça para que os postos associados possam ser abastecidos por meio de escolta policial. Até o momento, os manifestantes só deixam passar, sob escolta, os caminhões-tanque que levam combustíveis aos postos que abastecem os veículos oficiais. Outros poucos estabelecimentos estão recebendo combustíveis, mas são casos pontuais. Não há previsão de normalização do abastecimento na região (Última atualização terça-feira, 29, às 11h).

– Santos (SP) e região: alguns postos começaram a receber combustível no fim da tarde e início da noite de terça-feira (29), com escolta policial e do Exército. Ainda não há informações da quantidade de postos que receberam os produtos. O abastecimento com apoio da escolta permanece durante o dia de hoje.