Notícias

Maior petrolífera do mundo investe em motores a combustão e crê em demanda eterna

A Saudi Aramco está apostando que o motor de combustão continuará presente por um "muito, muito longo tempo" nos veículos e identificou uma oportunidade de negócio com o aumento dos carros elétricos.

A maior empresa de petróleo do mundo, que faturou US$ 500 bilhões (R$ 2,73 trilhões) em receitas no ano passado principalmente produzindo e vendendo petróleo bruto, adquiriu no mês passado uma participação de 10% de 740 milhões de euros (R$ 4,3 bilhões) na Horse Powertrain, empresa dedicada à construção de motores a combustível.

A estimativa da Saudi Aramco e dos outros acionistas da Horse —a fabricante chinesa de automóveis Geely e sua colega francesa Renault— é que à medida que a indústria deixe de projetar e desenvolver seus próprios motores de combustão, começará a comprá-los de terceiros.

"Será muito caro para o mundo eliminar completamente, ou prescindir, dos motores de combustão", disse Yasser Mufti, vice-presidente executivo da Saudi Aramco responsável pelo acordo. "Se considerarmos a acessibilidade e vários outros fatores, eu acredito que eles estarão por aí por um muito, muito tempo."

Quando questionado se achava que os motores de combustão existiriam para sempre, Mufti disse que sim. A Saudi Aramco já afirmou anteriormente que acredita que mesmo em 2050, mais da metade de todos os carros funcionarão com algum tipo de combustível.

Em 2021, o fim do motor de combustão parecia garantido depois que fabricantes de automóveis, incluindo Ford, General Motors, Mercedes-Benz, e governos, como o Reino Unido, se comprometeram a encerrar as vendas de novos motores a gasolina e diesel entre 2035 e 2040.

Mas com a desaceleração das vendas de veículos elétricos nos últimos meses e o protecionismo comercial aumentando, o futuro dos motores de combustão parece menos sombrio.

"Acreditamos que até 2035, 2040 e mesmo além de 2040 ainda veremos um número significativo de veículos com motor de combustão", disse Matias Giannini, CEO da Horse. "Com certeza mais da metade, e até 60% da população ainda terá algum tipo de motor, seja apenas de combustão, híbrido completo ou plug-in híbrido." Essa perspectiva apresenta uma oportunidade para consolidar a produção.

Giannini disse que a Horse já garantiu "alguns contratos" e está em negociações com várias fabricantes de automóveis para fornecer motores a elas.

"Temos uma variedade de novos motores sendo desenvolvidos, por exemplo, para atender à legislação", afirmou Giannini, acrescentando que a empresa manteve o investimento, enquanto outras automotivas decidiram parar de investir ou desenvolver motores em resposta aos novos padrões da UE.

A joint venture foi criada há um ano, depois que a Geely e a Renault transferiram suas divisões de motores e transmissões e juntaram-nas na Horse. A nova empresa de 7,4 bilhões de euros (R$ 43,5 bilhões), com 19 mil funcionários e 17 fábricas em todo o mundo, tem capacidade para produzir 3,2 milhões de unidades por ano e pretende atingir 5 milhões, colocando-a próximo do patamar da Stellantis, proprietária da Chrysler, Fiat e Citroën. "Não há ninguém fazendo o que propomos fazer", disse Giannini.

Philippe Houchois, analista automotivo na Jefferies, disse que faz sentido para a Geely e a Renault tentar alcançar escala combinando sua fabricação.

"A transição para veículo elétrico é mais lenta do que alguns pensavam, e existem híbridos, que alguns pensavam que desapareceriam, então o caminho é mais longo", disse Houchois, acrescentando que montadoras menores como Honda e Nissan poderiam ser clientes em potencial para a Horse.

Ele também previu que o alvo da Horse para seus motores estaria na Europa. "No mundo de hoje, apenas a Europa quer acabar com os carros a combustão. Nem os chineses nem os americanos estão trabalhando nessa direção."

Com as vendas crescendo de híbridos, a Toyota recentemente desenvolveu uma nova geração de motores menores com maior eficiência de combustível que também poderiam ser vendidos para outros fabricantes de automóveis. A Stellantis também investiu pesadamente no futuro de longo prazo de veículos a motor de combustão que funcionam com e-fuels sintéticos.

Enquanto isso, a Saudi Aramco intensificou recentemente seus esforços para construir uma rede global de postos de abastecimento. No ano passado, disse ter 17,2 mil postos de serviço, quase todos nos EUA, China e Japão. Este ano, comprou mercados em desenvolvimento como o Chile e o Paquistão.

O gigante do petróleo saudita também investiu em laboratórios de pesquisa em Paris, Detroit (EUA) e Xangai (China), onde está tentando desenvolver combustíveis de baixo carbono e sintéticos.
"Nossa pesquisa com empresas automotivas e competições automobilísticas reforçou nossa visão de que

No ano passado, a Saudi Aramco comprou a marca americana de lubrificantes Valvoline por US$ 2,65 bilhões, e todos os motores produzidos pela Horse terão seu "primeiro enchimento" com produtos Valvoline.

Mufti acredita que os motores de combustão ainda podem ter "melhorias significativas" que os tornariam competitivos contra os carros elétricos não apenas no custo, mas também na sustentabilidade, levando em consideração as emissões e o impacto ambiental da construção de veículos.

(Financial Times)

Autor/Veículo: Folha de São Paulo
Compartilhe: